Uma sexta feira louca


Assim foi a sexta feira passada.

Fiquei pensando como num pais tão pequeno como Israel, um pouco mais de 20 mil km² de extensão, pode no mesmo dia, acontecer eventos, desde alegres ao extremo oposto, tristes e perigosos para a segurança do país.

Ao meio dia teve início a tradicional Parada Gay de Tel Aviv, que vem sendo realizada há 20 anos. Prestem atenção: 250 mil pessoas participaram desta festa de alegria, solidadriedade, aceitação das diferenças, apoio e respeito pelo direito de cada um ser o que é.

Calcula-se que 200 mil eram turistas, que a cada ano vem em maior número comemorar esta festa em Israel, que atrai famílias com suas crianças, jovens e até mesmo idosos.

Nesta mesma hora, 12 horas, teve início em Jerusalém, na mesquita El- Aksa, as orações da última 6ª feira do mês Ramadan, o mês sagrado dos muçulmanos.

Mais de 100 mil muçulmanos, árabes israelenses e palestinos, vieram expressar a sua crença religiosa, como é permitido a todo cidadão num país democrático.

E em Gaza, nesta mesma hora, forças militares israelenses estavam em estado da alerta, ao longo da fronteira de Israel, na expectativa da Marcha do Milhão e da Marcha para Jerusalém, organizada pelo Hamas, que há 11 semanas atiça o povo para se atirar contra a cerca de segurança que separa a Faixa de Gaza de Israel, mesmo correndo risco de morte.

Mais uma vez, o Hamas não conseguiu trazer 1 milhão nem os 50 mil que estavam programados. Um pouco mais de 10 mil palestinos repetiram o ritual de todas as semana, atirando pedras, queimando pneus, artefatos explosivos contra os soldados e até tiros.

Centenas foram atingidos pelos gases lacrimogêneos e quatro morreram baleados. Os palestinos da Judeia e Samaria não aderiram às manifestações, pois já entenderam que este não é o caminho para conseguir o Estado .

A estrategia do Hamas foi mal elaborada, pois queriam despertar uma condenação mundial contra Israel em troca de um elevado número de mortos nestas Marchas. Contavam também com a adesão em massa dos palestinos da Judeia e Samaria e até dos árabes israelenses, o que não aconteceu.

A liderança do Hamas demonstrou que a vida do povo não tem valor. O que vale é a política, a projeção pessoal e a deslegitimação de Israel.

A tática dos incêndios continua e tem causado enormes prejuízos materiais, mas não vidas humanas. Israel continua tentando atrair a comunidade mundial para um projeto que permita ao povo de Gaza condições de vida mais humanas com água, energia elétrica, esgoto, educação, saúde e todas as necessidades básicas para a população.

Já existe um planejamento e inclusive países que já demonstraram apoio ao projeto, porém o problema é a impossibilidade de contar com a parceria da Autoridade Palestina, que legalmente é o governo de Gaza.

Abbu Mazzen não aceita arcar com a administração civil da Faixa de Gaza enquanto Hamas continuar sendo o segmento militar do governo.

Abbu Mazzen exige, com razão, o desarmamento do Hamas. E assim, os anos vão passando, a população aumentando junto com a pobreza, o desemprego e a desesperança de um futuro melhor.

NETANYAHU E A LIDERANÇA EUROPEIA


Na semana passada, como informei, Netanyahu esteve em Berlim, Paris e Londres para discutir o problema da permanência militar iraniana na Síria.

Na reunião governamental de domingo, o primeiro ministro relatou que foi bem sucedido na sua missão. Merckel, Macron e May, estão de pleno acordo com a demanda de Israel.

Mas o fator principal contra o desenvolvimento do processo é o próprio presidente sírio Assad, que declara que o Irã, Hesbollah e as demais milícias xiitas, estão na Síria atendendo o seu pedido de ajuda na luta contra os seus opositores. Incrível.

Quanto ao deslocamento de todas estas força militares para uma distância de 70 km além da fronteira de Israel, é aceitável por parte da Síria, mas não suficiente para a segurança de Israel .

Aliás , fonte jornalística americana informou que todas as milícias, Hesbollah e inclusive soldados iranianos, continuam na faixa da fronteira com Israel usando uniformes militares sírios …

TÚNEL SUBMARINO
Porta voz da Tzava, informou no domingo, que forças militares destruíram um túnel submarino localizado a 3 km da costa marítima de Israel .

O túnel era continuação de dois túneis subterrâneos interligados que davam entrada ao túnel submarino, que estava destinado a ações terroristas do comando marítimo do Hamas.

Imaginem quantos hospitais, escolas, toda a infra estrutura tão necessária à população de Gaza, poderia ser construída com os custos fabulosos destes tuneis.

A NOVELA DO FUTEBOL ARGENTINO


O tão anunciado amistoso entre a seleção de futebol argentina e a seleção de Israel, não aconteceu. Foi realmente uma novela: iniciativa particular que renderia alguns milhões para a federação argentina de futebol, os amantes israelenses do esporte teriam a oportunidade de ver o grande jogador Messi, que por sua vez queria visitar os locais sagrados cristãos como também colocar um bilhete no Muro das Lamentações, com a intenção de ser abençoado com a Copa. Há 32 anos a Argentina não ganha a Copa.

Mais uma vez, Miri Regev, a ministra da Cultura e Esportes, entrou na festa sem ser convidada e exigiu que o jogo, que deveria ser realizado no estádio de Haifa, fosse transferido para Jerusalém, em homenagem aos 70 anos da independência de Israel.

Além disso, queria que Messi, no gramado, antes da partida, desse um “aperto de mãos” à ministra. Em resumo, a ministra transformou um ato esportivo em propaganda eleitoral, uma iniciativa privada em uma realização governamental, causando um dos maiores escândalos jornalísticos e esportivo.

Messi abdicou das honrarias, a federação argentina foi pressionada pela BDS e pelos palestinos, o amistoso virou um desacordo e os torcedores que haviam comprado ingressos em corretores a preços exorbitantes ficaram a ver navios.
Ainda bem que ela não é ministra da defesa …

CHANCELER AUSTRÍACO EM ISRAEL


No domingo , aterrissou em Israel , Sebastian Kurz , o chanceler da Austria. No dia seguinte já havia visitado o Yad Vashem, o Monte Hertzl, a cidade velha e o Kotel, onde atendeu aos pedidos de jovens e crianças para vários selfies.

Além dos encontros oficiais com Netanyahu, presidente Rivlin e outras autoridades, fez questão de se encontrar com judeus austríacos sobreviventes dos campos de extermínio.

Declarou que o seu governo tem como meta eliminar qualquer forma de antissemitismo na Áustria, e que reconhece a responsabilidade do seu povo na colaboração com os nazistas no holocausto.

OS OLHOS DO MUNDO
Entre 2ª e 3ª feira, os olhos do mundo estarão voltados para Singapura onde será realizada a Conferência de Cume, entre Trump e Kim J’ung On.

A partir de 5ª feira todos os olhares estarão fixos nos gramados dos estádios de futebol na Rússia, onde serão realizados os jogos do esporte que atrai multidões. Acredito que teremos alguns dias de férias ao longo da fronteira com Gaza. Os palestinos também gostam de futebol.

ESFAQUEAMENTO EM AFULA
Uma jovem de 18 anos  foi esfaqueada brutalmente numa parada de ônibus na cidade de Afula.Está gravemente ferida .
O terrorista fugiu, mas foi alcançado por um tiro na perna, que permitiu a sua prisão. É um jovem palestino de Jennin, sem permissão de entrar em Israel.

Depois do atendimento médico, foi levado para interrogatório.

DIVAGAÇÕES CLIMÁTICAS
Por incrível que pareça está previsto chuva na 3ª e 4ª feira . O clima tambem está louco.
SHALOM ME ISRAEL

.

2 Comentários

  1. Manoel Ader
    Manoel Ader 12 de junho de 2018 at 21:32 |

    VAMOS AJUDAR NOSSOS IRMÃOS E CORRELIGIONÁRIOS QUE ESTÃO PERDENDO AS COLHEITAS POR CAUSA DOS INCÊNDIOS PROVOCADOS PELOS FANÁTICOS TERRORISTAS.

    Responda este comentário
  2. José Levinson
    José Levinson 16 de junho de 2018 at 19:32 |

    Ruth querida, abraço, beijo e parabéns pela coluna.

    Responda este comentário

Comente