Quando os Campos de Trigo queimam


A Marcha do Retorno completou 6 semanas de terror. Um novo tipo de terror que pretende destruir um dos maiores sonhos de Israel: florescer o deserto, pintar de verde a cor arenosa do Neguev.

Os campos de trigo dos kibutzim em torno de Gaza têm sido o alvo das pipas incendiárias alem de outros artefatos incendiários, que com a ajuda do clima seco e da onda de calor que cobriu o país durante toda a semana passada, tiveram suas lindas espigas queimadas.

O prejuízo chega a centenas de milhões de shekalim  e os agricultores perderam quase que toda a safra. A obsessão de destruir não tem limites, os palestinos queimaram também a entrada da tubulação que fornece água e diesel para a Faixa de Gaza.

Na última 6ª feira, 10 mil palestinos participaram das manifestações em seis focos ao longo da fronteira e o Ministério da Saúde de Gaza anunciou que mais de 300 manifestantes foram atendidos nos hospitais  por inspiração de gás lacrimogêneo. Informou também que mais de 40 palestinos morreram desde o início da Marcha.

Israel declarou que se a violência contra os ishuvim continuarem, terá que mudar a estrategia e atingir centros estratégicos do Hamas, que é o responsável pelo que ocorre na fronteira do seu território.

Fontes de informação palestinas comunicaram que seis membros do segmento militar do Hamas (terroristas) morreram no sábado, quando manuseavam um artefato explosivo não conhecido. A liderança terrorista acusou Israel pela explosão e ameaçam reagir com toda a força.

A DEMOCRACIA EM PERIGO
No domingo, a comissão legislativa de ministros, discutiu e votou o parágrafo da sobreposição ao Supremo Tribunal, apesar do pedido de Netanyahu para que a votação fosse adiada por uma semana, permitindo assim, que as consultas com a elite judiciária pudessem ser mais amplas .

Benet e Shaked (Bayt Hayehudi), não aceitaram nenhum adiamento e a comissão aprovou o parágrafo, que atinge os poderes da Corte Suprema, fere gravemente os direitos democráticos dos cidadãos e cobre com uma nuvem escura a luz da democracia israelense.

A Lei com o novo parágrafo irá agora ao plenário da Knesset  e necessita de 61 votos para ser aprovada. Além de todos os partidos da oposição que votarão contra, o partido Kulanu do Ministro da Fazenda, declarou que não vai votar com a coalizão e dará livre arbítrio aos seus deputados. Kachlon, ministro da Fazenda, também, votará contra a modificação da lei.

GIRO D’ITALIA


Na 6ª feira ás 13h30 foi dada a partida para o início desta famosa prova de corrida de bicicletas, a segunda em importância mundial. A primeira é o Tour de France.

Este evento, realizado pela primeira vez fora da Europa, permitiu a Israel exibir o seu aspecto esportivo, turístico, sua beleza paisagística original, além da sua capacidade logística para organizar uma competição internacional deste nível.

Foi esta também, a primeira vez que um evento destas proporções é realizado em Israel com a participação de 176 ciclistas de 22 países, as equipes de assistência de cada grupo e mais de 300 jornalistas de todo o mundo que vieram dar a cobertura ao Big Start Israel.

Cerca de 15 mil turistas vieram prestigiar a competição que foi transmitida para 600 milhões de espectadores em todo o mundo.

Assisti pela TV grande parte das três etapas realizadas em Israel: a primeira em Jerusalém, em 4/5, a segunda etapa, de Haifa para Tel Aviv, em 5/5 e a última etapa, em 6/5, de Beer Sheva à Eilat, um percurso total de 400 km.

Foi um lindo espetáculo de cores, de paisagens, helicópteros acompanharam todo o trajeto da prova, transmitindo imagens dos locais com letreiros explicativos de cada lugar, um verdadeiro passeio por Israel sem sair da poltrona.

Acredito que foi a melhor propaganda turística de Israel de todos os tempos. Milhares de israelenses aplaudiram os ciclistas ao longo do trajeto.

Silvan Adams, judeu canadense, foi o empreendedor deste projeto.
Kol Hakvod!

ALTA TENSÃO
Israel está atravessando uma fase de tensão na arena política regional e internacional, gerada, principalmente, pelos problemas de segurança que afetam o país.

A presença militar iraniana na Síria é um foco de conflitos nos quais participam a Rússia, Turquia, Hesbollah ( Líbano), permanentemente, Estados Unidos, França e Inglaterra, esporadicamente, e Israel que se encontra em constante ameaça.

A entrada do Irã no Oriente Médio, faz parte da sua estratégia que é se tornar o país mais influente na região, afastando as pretensões da Turquia, facilitando os seus planos de destruir Israel.

Não é fácil governar um país com duas ameaças permanentes de destruição: uma vindo do norte –Irã – e outra do sul–Hamas.

Os problemas políticos e de segurança criados pelo acordo nuclear assinado pelas seis potências com o Irã e o tráfico de armas sofisticadas para território sírio colocam Israel em situação de prontidão permanente.

Na próxima 4ª feira, 9/5, Netanyahu viaja para Moscou para um novo encontro com Putin, certamente para debater, entre outros, o problema criado com a declaração do presidente russo de enviar para a Síria, os novos foguetes anti-aéreos S-300, que tornarão impossível qualquer movimento da Força Aérea israelense em direção ao norte.

Netanyahu quer expressar a sua preocupação, pois não tem pretensões de entrar em conflito com a Rússia, mas por outro lado, Israel terá que destruir estes foguetes, se forem instalados na Síria, antes que possam entrar em ação. É um beco sem saída.

A tranferência da embaixada americana para Jerusalém, também, criou um outro foco de tensão com a ameaça dos palestinos e outros países muçulmanos, de criar tumulto e revoltas populares na próxima semana.

Para atiçar um pouco mais os nervos da população, no noticiário da TV das 20 horas de domingo, foi transmitida uma entrevista com o comentarista para assuntos militares que explicou, claramente, que existe a possibilidade de um ataque iraniano no norte de Israel, como vingança aos sete militares do Irã que foram mortos num ataque aéreo, supostamente, realizado por Israel, há pouco mais de duas semanas, na Síria.

Na 2ª feira, as manchetes dos jornais anunciavam que o Irã está preparando ataques de foguetes à bases militares de Israel no norte do país.
Mais um tema para o encontro de Netanyahu com Putin.

A BDS E A EUROVISION
Nem a cantora Neta Barzilay que vai representar Israel na Eurovision, que será realizada em Lisboa, Portugal, nesta terça feira, 9 de maio, escapou das garras da BDS.

Neta, como a maioria dos jovens de Israel, prestou serviço militar de acordo com a lei e está sendo acusada pelo BDS como responsável pela morte de palestinos, pois esta é a meta do exército israelense.

Com esta propaganda imoral, o BDS pretende influenciar na classificação da cantora para as finais ou mesmo impedir a sua participação. Até que ponto chegou o antissemitismo!

O CLIMA FICOU LOUCO
Depois de uma semana de Hamsin, onda de calor com temperaturas de 30° – 40° , tempestades de areia e umidade do ar abaixo de 50%, segunda feira de manhã, queda da temperatura e chuva de granizo em Kfar Saba e outras áreas do país. Em maio! Incrível!

MAIS UM “EXIT” DA INDÚSTRIA DE ISRAEL
Frutarom é o nome de uma fábrica israelense cuja especialidade é produzir essências de frutas que são usadas em alimentos, cosmética e mil outros usos. Foi fundada há mais de 30 anos e vende milhões para o mercado internacional.

Foi vendida pela soma astronômica de 6.4 bilhões de dólares para uma firma norte-americana.
Kol Hakavod!

ALTA TENSÃO
Esperei o noticiário das 20 horas para ouvir as últimas novidades. Não gostei. Transmitiram um flash de Netanyahu discursando numa cerimônia militar, na qual declara que Israel não vai tomar nenhuma iniciativa bélica, mas dará resposta imediata a qualquer ameça à sua segurança.

O Irã não tem fronteiras com Israel e está a 1.600 km de Israel, mas tem bases militares muito bem equipadas na Síria, que está bem próxima.
Que tenhamos Paz!
SHALOM ME ISRAEL.

Comente