Portugal quer turistas judeus

Desde que foi aprovada a legislação que dá a nacionalidade portuguesa aos descendentes de judeus sefarditas expulsos de Portugal a partir da Inquisição, 12 mil estrangeiros entraram com o pedido e cerca de 1800 já conseguiram a cidadania. É um processo que acontece desde 2015 e marca uma aproximação do Portugal moderno a um legado histórico que muitas vezes foi esquecido. Agora, o governo português pretende ir mais longe e promover o país como destino turístico para os judeus americanos.

“O turismo judaico foi identificado como um pilar muito importante porque temos 29 pontos históricos em Portugal, a maior parte localizados no interior, que têm herança judaica”, explica a secretária do Turismo, Ana Mendes Godinho, durante uma sessão de promoção de Portugal em Los Angeles. O templo sefardita Tifereth Israel foi a última paragem da comitiva organizada pela secretaria de Estado, em parceria com o consulado português de São Francisco e a comunidade judaica em Portugal. A tour promocional esteve em Nova Iorque, São Francisco e Los Angeles com a missão de explicar às comunidades judaicas porque devem descobrir a rede de judiarias em Portugal e a riqueza histórica que a diáspora espalhou pelo mundo.

Esta rede concentra-se no norte e centro do país, sobretudo no interior. A decisão de promover Portugal nos Estados Unidos deve-se a uma conjunto de fatores, desde a intenção de diversificar o tipo de produtos turísticos à explosão de interesse dos americanos por Portugal. Só entre 2015 e 2017, o número de turistas americanos que visitaram Portugal duplicou, passando de 400 mil para 800 mil; o crescimento foi embalado pela melhoria da situação econômica, da reputação do país e pelo aumento das linhas aéreas. Neste verão, haverá 91 voos semanais que vão ligar os Estados Unidos a Portugal e como a comunidade judaica na América é forte e influente, este componente inexplorado do turismo pode ter um efeito multiplicador.

O país da tolerância

Dois dos líderes religiosos mais importantes da comunidade judaica portuguesa acompanharam a comitiva para darem um testemunho pessoal e fomentarem uma ligação mais próxima junto aos judeus americanos. Natan Peres, rabino da comunidade de Lisboa, falou da importância da diáspora portuguesa. “Fomos os primeiros judeus a chegar em Amesterdã,  na Inglaterra e na América”, disse o rabino no templo sefardita de LA. A primeira sinagoga de Nova Iorque, por exemplo, foi fundada por uma comunidade judaica portuguesa, e há muitos americanos judeus com nomes e apelidos portugueses. “Esse legado não tem sido contado”, referiu Peres. “Portugal está aberto para negócios também com judeus. Só não durante o shabat”, brincou.

Gabriel Steinhardt, presidente da Comunidade Israelita de Lisboa, centrou o seu testemunho em algo que outros membros da comitiva não quiseram dizer abertamente: Portugal é um país muito tolerante e as diferenças em relação aos vizinhos europeus são cada vez mais notórias. “Em países como a Bélgica ou a França as coisas estão assustadoras”, declarou, referindo-se ao antissemitismo, que está crescendo em certos meios extremistas. Natan Peres concordou: “Com a situação na Europa, principalmente, no norte, Portugal é um oásis”, disse o rabino, que esteve dois anos em Amesterdã e quatro em Londres.

A comunidade judaica portuguesa é muito pequena; calcula-se que chegue aos 1500 em todo o país, entre 500 a 1000 em Lisboa, 200 a 300 no Porto e mais algumas dezenas em Belmonte, onde fica situada a terceira sinagoga do país. No entanto, os líderes religiosos notam que há um interesse crescente vindo de fora da comunidade. Foi isso também que incentivou o governo português.

A rede das judiarias

Fundada em 2011, a rede vai desde o cemitério judaico de Faro ao museu-sinagoga de Castelo de Vide, passando por Lamego, Guarda, Fornos de Algodres, Elvas, Freixo de Espada à Cintra e dezenas de outros locais. “Temos aqui dois produtos muito apelativos para o mercado americano”, frisa a secretária de Estado Ana Mendes Godinho. Por um lado, é a possibilidade de irem conhecer esta herança judaica, que passa por todo o país. A segunda oportunidade, que o governo coordena com a American Jewish Committee, “é aproveitar Portugal como uma escala para os judeus americanos que vão a Israel”. A TAP está trabalhando numa parceria com a EL AL para quem vem dos EUA possa ficar até cinco noites em Portugal a caminho da Terra Santa.

Maria João Lopes Cardoso, a nova cônsul-geral de Portugal em São Francisco, diz que há também um grande volume de turistas americanos que vão à Terra Santa sem serem judeus. “Isto envolve as religiões judaico-cristãs”, adianta, referindo que há muitos trunfos para mostrar. “Somos mais simpáticos e gostamos dos estrangeiros.”

Turismo religioso cresce

Sobre o turismo religioso em Portugal, Ana Mendes Godinho frisa que já há indicadores sobre o número de estrangeiros que estão visitando pontos turísticos relacionados com a rede de judiarias. O Centro da Cultura Judaica de Trancoso, por exemplo, deu um salto de 30% em 2017, com cerca de 13 mil visitantes. O trabalho feito pelos municípios associados a esta rede de judiarias tem sido forte, incluindo uma passagem por uma feira de turismo em Israel, que está dando frutos.

Comunidade poderosa nos EUA

A escolha de Nova Iorque e Los Angeles para promover Portugal como destino turístico ligado à herança judaica tem um motivo muito concreto: estas são as cidades com as maiores comunidades judaicas do mundo fora de Israel. Nova Iorque tem cerca de dois milhões de judeus, quase 20% da população, e Los Angeles conta com 660 mil, enquanto São Francisco tem uma comunidade de 391 mil. No total, há seis milhões de judeus nos Estados Unidos, o que por si só é um número relevante; mas a sua influência económica e cultural é bem mais extensa do que o peso relativo da população.

Los Angeles, a capital mundial da produção cinematográfica, tem uma história bem documentada de influência da cultura judaica. Muitas posições de destaque em Hollywood são ocupadas por judeus, desde a Walt Disney à CBS e é impossível não pensar em grandes atores como Barbra Streisand, Harrison Ford, Natalie Portman, Scarlett Johansson, Dustin Hoffman, Jake Gyllenhaal, Adam Sandler, Ben Stiller, Gwyneth Paltrow.

O livro de Neal Gabler An Empire of Their Own: How the Jews Invented Hollywood, publicado em 1988, explica que a intenção dos judeus europeus que fundaram os estúdios de cinema nas décadas 1910 e 1920 era criar uma indústria sem antissemitas, e que em troca ignoraram a representação da cultura no cinema. Essa correção, que começou a se sentir a partir dos anos sessenta e setenta, causou esta paranoia entre os que são dados a teorias da conspiração e acreditam que os sionistas querem controlar o mundo.

A presença da cultura judaica em Los Angeles é sentida um pouco por todos os lados, desde os restaurantes kosher às muitas sinagogas, escolas e grupos profissionais dedicados a jovens judeus. É ainda mais proeminente em Nova Iorque, devido aos números substanciais num espaço mais reduzido, não apenas em termos culturais mas também em termos políticos. Um estudo gigantesco divulgado em 2012 pela UJA-Federation of New York, indicava um aumento da ortodoxia entre os judeus da região, com maior dedicação religiosa e mais conservadorismo. Ainda assim, nas eleições de 2016, a esmagadora maioria dos eleitores judeus votou em Hillary Clinton (71%), uma subida de dois pontos em relação a Obama em 2012. Em conjunto com os mormons, os judeus representaram os únicos grupos religiosos que aumentaram a percentagem de votos na opção democrata em comparação com a republicana. Os outros, desde os protestantes aos católicos, reduziram o apoio ao Partido Democrata e optaram por Donald Trump.

2 Comentários

  1. Tito Oliveira
    Tito Oliveira 3 de Abril de 2018 at 14:36 |

    Denise,
    Bom dia, ontem vendo o jornal da Tv Portuguesa, teve uma matéria sobre o turismo em Belmonte e troncoso dos turistas judeus. Eles mostram que as cidades cresceram em função disso. Tem até um hotel judaico, o Monte Sinai. Boa matéria.

    Responda este comentário
  2. denise
    denise 4 de Abril de 2018 at 12:40 |

    Olá Denise,
    Morei em Portugal há alguns anos atrás e falar ou querer colher informações sobre judeus, sinagogas, judaísmo, etc… era um mistério e raro. Pelo seu interessante artigo ficamos a saber da nova diretriz do governo português em querer incrementar e tornar conhecedora a herança judaica. em Portugal. Espero q não seja só por questões turísticas, há muito mais historicamente que os próprios portugueses se surpreenderão. Abraços
    Denise

    Responda este comentário

Comente