“O Orgulho” – um filme de Yvan Attal


“O Orgulho”(Le Brio), filme francês de 1h35m, lançado em 201, conta com direção de Yvan Attal e roteiro a três mãos de Noé Debré, Victor Saint Macary e Yael Langman.

O diretor Yvan Attal nasceu em Tel Aviv, em 4 de janeiro de 1965. Seus pais são judeus argelinos franceses e ele cresceu nos arredores de Paris. Yvan também é ator e sua estreia atuando foi em “Un monde sans pitié”, de Éric Rochant (1989), cujo desempenho lhe valeu o prêmio “Cesar”, de Ator Mais Promissor.

Seu primeiro longa como diretor foi “Ma femme est une actrice” (2001), co-estrelando Charlotte Gainsbourg, (atriz e cantora anglo-francesa), sua companheira na vida real, com quem tem dois filhos.

O filme “O Orgulho” fala de um assunto polêmico que é o racismo, assunto difícil de se lidar, principalmente na Europa de hoje.

A atriz Camelia Jordan (vem de família de argelinos) faz o papel da estudante de direito Neila Salah. É uma boa atriz e cantora pop, trazendo no currículo vários créditos por seus trabalhos, além do prêmio de atriz revelação pelo filme.

Neila vive com a mãe e a avó num prédio modesto nos arredores de Paris. Ela está decidida a se tornar advogada e por isso se inscreve na Universidade de Paris, mas chega atrasada logo no primeiro dia e sofre o ataque de um professor veterano (Daniel Auteiul) que, atualmente, é um dos maiores atores franceses. Daniel está impecável como o professor racista e antipático. Ele a ofende e isso provoca uma reação negativa dos alunos e dos outros professores. Para não ser despedido, tem que enfrentar um desafio: ensaiar a moça e lhe ensinar todos os truques da profissão.

O filme tem momentos dramáticos e revela, de forma inteligente, denúncias sobre problemas e crises pelas quais passa uma Paris atual.

Comente