Namoro em tempo real


Roberto tinha um celular do tempo da vovó, aliás do vovô, mas sendo Roberto um senhor de 75 anos, o aparelho era compatível com sua idade…Só que não.

O telefone do Roberto só fazia ligações telefônicas, mais nada.

-Como assim, mais nada? Telefone não é para isso? – Argumentava com seus familiares e amigos que insistiam para ele trocar o seu aparelho para um smartphone.

Mas Roberto resistia e dizia que era contra esses modismos, sempre com bons argumentos para quem tentava persuadí-lo a mudar de telefone.

Quis o destino que Roberto, um solteirão convicto, assim como o seu celular, conhecesse na aula de Pilates, Clara, uma viúva de 71 anos, bonita, jovial e muito antenada, que mudou, totalmente, a sua vida.

-Que tal um cineminha no final de semana? –convidou Roberto.

-Podemos combinar, claro!

-Posso ligar na sexta à tarde?

-Sexta à tarde tenho aula de desenho, mas me manda uma mensagem pelo whatsapp, que combinamos.

-Não tenho whatsapp – respondeu Roberto, certo de que iria impressionar com sua personalidade.

-Ok! Então me manda pelo MSN.

-O que é isso? – Indagou o cavalheiro, agora meio perdido.

-Messenger? – Perguntou Clara com certo espanto.

-Desculpe, mas sou à moda antiga, não gosto desses modismos – justificou Roberto.

-Por que? A modernidade facilita tanto a nossa vida – argumentou, Clara.

Roberto estava quase perdendo a chance do programa do final de semana e pensou rápido numa solução para aquele impasse.

-Podemos já deixar marcado e marcamos uma hora para eu te buscar em casa. O que acha?

-Perfeito- Respondeu Clara, para alívio de Roberto.

Animado com a ideia do cinema, engrenou uma esticada mais romântica e sugeriu um jantar com um bom vinho.

-Adoro vinhos! – disse a entusiasmada convidada.
Começaram então a falar sobre uvas, marcas e…

-Tenho um aplicativo no meu celular que me ajuda a escolher os vinhos na hora da compra. O Vivino, você conhece? – perguntou, Clara.

-Ah…não…- Respondeu Roberto, totalmente, por fora do que seria “isso”.

Mas ele não se deixou abater e tentou mudar o rumo daquela prosa, mostrando a sua amada, que tinha outros atrativos, além de um simples detalhe tecnológico.

-Podemos ver o filme “The Post – A Guerra Secreta”, do Spielberg, foi indicado para o Oscar e trata de um assunto muito interessante, que é um dos episódios mais simbólicos do papel da imprensa como vigilante dos poderes constituídos.

-Que interessante. Acho uma excelente escolha, mas deve ter muita procura, melhor comprarmos pelo Ingresso.com, não?- sugeriu, Clara.

-Como? Não entendi…- indagou o já agora perturbado Roberto.

-Ingresso.com…Você não vai comprar os ingressos?

-Vou…na bilheteria…

-Você vai ao Shopping só para isso? Não precisa! Eu compro pelo site.

Roberto já não sabia mais o que falar e receoso de que sua convidada pudesse desistir do programa, antes mesmo de conhecê-lo melhor, por total falta de afinidades tecnológicas, encurtou a conversa e ensaiou uma despedida.

-Nossa, acabo de me lembrar que tenho que apanhar o carro na revisão. Não posso levar uma dama tão bela de táxi para o cinema, não é mesmo? – achou a cantada irresistível e quando finalmente pensou que Clara iria se derreter por ele, ela indagou:

-Você vai de carro? Mas não vamos beber vinho?

-Sim! Claro! Uma ou duas tacinhas não têm problema.

-Claro que tem! Podemos ir de Uber.

-Quem é esse? – perguntou Roberto, bolado, achando que Clara iria levar um
amigo.

Clara sorriu delicadamente e explicou que Uber era um aplicativo de transporte bem mais seguro do que carro particular.

Os dois se despediram e ficaram de “se falar…”, porém não definiram como, onde e quando.

No mesmo dia, Roberto foi ao Shopping e resolveu comprar um telefone novo.

-Boa noite! Quero um telefone que faça tudo!

-Claro senhor! Qual é a marca de sua preferência?

-A melhor!

Foi assim que Roberto adquiriu um Iphone X plus com carregamento sem fio, som estéreo, câmera dupla, reconhecimento facial, Animojis, entre outras funções.

Mas Roberto mal sabia onde ligar o seu aparelho zero quilômetro e foi então, que teve uma ideia brilhante: ligar para Clara e pedir que ela desse algumas aulinhas para ele.

Impressionada com a atitude de Roberto, Clara não conseguiu ajudá-lo nessa difícil tarefa, porém recomendou o seu professor particular.

Algum tempo depois, Roberto convidou Clara para irem ao cinema através de uma mensagem pelo Whatsapp. Ele comprou os ingressos pelo Ingresso.com e foi buscá-la de Uber.

Começaram a namorar e ele mudou o seu perfil no Facebook para “relacionamento sério”.
Clara, no entanto, não gostou, alegando que aquilo era invasão de privacidade e que o “mundo” não precisava saber que eles estavam juntos.

Roberto alegou que estava muito feliz e queria dividir sua felicidade com seus novos amigos virtuais, uma vez que, estava totalmente engajado naquele universo on line.

Argumentos aceitos, acabaram se casando e foram felizes para sempre até o próximo post.

Comente