É cor de rosa choque

E a WIZO do Cone Sul se vestiu de rosa Choque. Sob a liderança do Brasil, dezenas de mulheres judias sionistas se reuniram no Uruguai. Visitamos o passado e projetamos o futuro.

Vestir a camiseta WIZO, de qualquer cor, significa se envolver e se comprometer com as causas humanitárias, com os valores de solidariedade, amor ao próximo e defesa dos direitos da mulher.

Fincamos a nossa presença nos primórdios da fundação do Estado de Israel. As nossas mães fundadoras, ao mesmo tempo que construíam creches para abrigar os bebês das imigrantes pioneiras da Palestina, voltavam para Londres para participar do movimento das “Sufragistas”, que lutavam pelo voto feminino, na década de vinte do século passado.

Participamos, através de um sem número de corajosas “chaverot”, das tentativas de resistência ao Holocausto na Europa nazista. Recepcionamos os sobreviventes, que chegaram de navio na Terra Prometida. Providenciamos leite e mel, em forma de dignidade e acolhimento para aqueles que tinham perdido a esperança na humanidade.

A nossa atuação junto aos recém-chegados a Israel não cessou nunca. A imigração russa e etíope teve os seus filhos abrigados nas instituições WIZO, assim como os adultos receberam todo o apoio para se integrarem na sociedade israelense.

Atendendo a demanda atual, os nossos estabelecimentos de ensino estão educando os jovens adolescentes da Europa que se anteciparam às suas famílias, por um porto mais seguro no exercício do judaísmo, e da América do Sul, como melhor opção de busca de uma situação econômica sustentável.

A rede social mundial, que sustenta centenas de projetos em Israel e na sociedade maior de cada país, tem no Brasil um dos seus mais jovens contingentes de ativistas. São as nossa “avivot”, que, em pleno mês de Nissan, no Seminário Sul Americano, mostraram como renovação e inovação são os caminhos que garantem a nossa continuidade.

Somos exemplo de instituição que abre os seus espaços para o exercício da liderança jovem. Ser WIZO é ter consciência da importância da mulher na transformação do mundo. É sempre antecipar o futuro.

Afinal, todas devemos nos engajar no “Tikun Olam”, que se constitui no fundamento de nossa existência, enquanto mulheres judias. Vestindo rosa choque, assumimos, de forma divertida, o nosso comprometimento com um mundo mais justo e mais feliz.

E a nossa responsabilidade por uma bandeira azul e branca, que nos inspira há setenta anos!

Comente