Chol Hamoed, entre Sukot e Simchá Torá

Netanyahu e Trump na ONU

É a semana entre o 1º dia de Sukot até o último dia, quando se comemora Simchat Torá. As escolas estão de férias, em muitos serviços públicos trabalha-se meio expediente, muita gente passeando, as estradas cheias, festivais, enfim, atmosfera de festa.

Contudo, a abertura dos trabalhos da Assembleia Geral da ONU em Nova York, movimentou a arena política e aumentou o tráfego aéreo entre Israel e os Estados Unidos.

O primeiro ministro Netanyahu e sua comitiva de assessores, ministros, deputados, jornalistas lotaram os aviões e os hotéis.

É uma oportunidade para encontros com líderes de países amigos e Netanyahu se encontrou com Trump, com o presidente do Egito A- Sisi, com o presidente da Guatemala, com o Secretário Geral da ONU etc.

Na 5ª feira, Netanyahu discursou perante a Assembleia Geral e como sempre, num inglês corretíssimo, fez um show dramático.

A maioria do longo discurso foi dedicado ao Irã: o problema do projeto atômico e as infrações permanentes, além da revelação de construções secretas em Teerã onde estão armazenados materiais radioativos, que foram descobertos pelo Serviço Secreto de Israel.

Netanyahu exibiu aos presentes, fotos esquemáticas dos locais e solicitou a Agência Atômica Internacional que faça um exame imediato para comprovar suas afirmações.

Durante muitos minutos teceu elogios pessoais, na minha opinião, exagerados ao presidente americano e não deu a devida importância ao problema palestino, na hora e no local apropriado.

Discursou perante poucos representantes diplomáticos, pois as delegações dos países árabes, muçulmanos e de outros países com os quais Israel não mantem relações diplomáticas, se retiraram do recinto antes do início do discurso de Netanyahu.

As palmas que se ouviram  foram de Sarah Netanyahu e da comitiva israelense e, às vezes, da delegação americana.
Mais uma reunião da Assembleia Geral da ONU: muitas palavras e pouco conteúdo. As decisões, somente no Conselho de Segurança e nas Comissões.

EM GAZA COMEMORAM AS FESTAS

Durante a semana de Chol Hamoed, os palestinos de Gaza aumentaram as atividades na fronteira e no envio de balões incendiários e explosivos em direção aos ishuvim próximos, causando novamente incêndios nas plantações e nos parques naturais.

PASSEATA EM JERUSALÉM

Mais de 10 mil turistas e outros milhares israelenses participaram da passeata de Jerusalém em comemoração aos 70 anos de independência de Israel .

Os turistas, provenientes de 35 paises, como Brasil, Dinamarca, Portugal, Estados Unidos, Alemanha,Polônia, Inglaterra, Guatemala, Perú, Bolívia,Bulgária etc, percorreram as ruas principais de Jerusalém, numa demonstração de amor a Israel e seu povo.

No mesmo dia foi realizada uma demonstração de paraquedistas em salto livre, 6.000 metros de altura.

NOVAMENTE EM GAZA

No último fim de semana, as manifestações em Gaza atingiram o ápice: mais de 20 mil palestinos dispersados em cinco pontos da fronteira, usaram dispositivos explosivos, granadas de mão, balões incendiários contra os soldados, causando ferimentos em alguns.

Mas entre os manifestantes, sete foram mortos e mais de 300 sofreram ferimentos. Foi uma das mais violentas manifestações nos últimos meses.

É possível que tenha sido reflexo das declarações de Abbu Mazzen, que ameaçou o governo de Gaza de cortar todas as verbas que transfere mensalmente.

O problema humanitário em Gaza se agrava a cada dia , elevando o nível de desesperança do povo .

SIMCHAT TORA

Finalmente, chegamos ao final das festas do mês Tishrei, e de domingo à noite até 2ª feira à noite, se comemorou Simchat Tora, quando se corteja com muita alegria os Rolos da Torá pelas ruas com cantos e danças.

Nesta data, se termina a leitura da Torá nas sinagogas e se inicia novamente de Bereshit. É uma festa realmente e comemorada em quase todas as cidades e ishuvim de Israel .

SHALOM ME ISRAEL

Comente